SISTEMA “S”. UTILIZAÇÃO DA ARBITRAGEM ... 05 de Outubro de 2018
A arbitragem, como bem conceitua Marçal Justen Filho, “consiste numa solução pactuada entre as partes de uma relação jurídica prevendo que litígios existentes ou futuros serão compostos mediante decisão de sujeitos privados, com eficácia equivalente àquela proferida pelo Poder Judiciário”.[1]

Sobre a utilização da arbitragem no âmbito dos contratos administrativos, muito se discutia sobre a sua viabilidade, em vista da interpretação que se fazia do art. 1º da Lei da Arbitragem (Lei nº 9.307/1996), que diz “Art. 1º As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis.” (grifou-se)

Justamente porque a arbitragem se dirige à resolução de conflitos envolvendo direitos patrimoniais disponíveis é que existia corrente que defendia[2] ser inviável o uso da arbitragem pela Administração Pública, posto que esta atua em função do interesse público, administrando bens e patrimônio público, que são marcados pelo traço da indisponibilidade.

Ocorre que em 2015, a Lei da Arbitragem foi alterada pela Lei 13.129, que incluiu no art. 1º dois parágrafos, que rezam:

“Art. 1º As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis.
§ 1º A administração pública direta e indireta poderá utilizar-se da arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015)
§ 2º A autoridade ou o órgão competente da administração pública direta para a celebração de convenção de arbitragem é a mesma para a realização de acordos ou transações. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015)”. (grifou-se)


Vê-se, portanto, que atualmente existe expressa previsão legal que autoriza o uso da arbitragem no âmbito administrativo, colocando fim à controvérsia.

Em relação às entidades do Sistema “S”, a JML se posicionava contra o uso da arbitragem, utilizando o mesmo raciocínio aplicável à Administração Pública, visto que tais entidades, muito embora sejam dotadas de personalidade jurídica de direito privado e não sejam integrantes da Administração Pública direta ou indireta, administram recursos de natureza pública[3]. Todavia, diante da alteração da Lei, reconhece-se, então, a possibilidade da utilização da arbitragem também pelos Serviços Sociais Autônomos, como meio alternativo de resolução de controvérsias envolvendo direitos patrimoniais disponíveis (a exemplo de questões envolvendo o equilíbrio econômico-financeiro do contrato).

Uma das características marcantes da arbitragem é a sua maior agilidade para a composição dos litígios em relação à solução da controvérsia no curso de um processo judicial. Exatamente por isso é que não se entende que a arbitragem possa prejudicar a competitividade de certames licitatórios ou acarretar custos maiores aos contratos administrativos.

Dessa feita, mostrando-se a arbitragem como um mecanismo idôneo e eficaz de heterocomposição de conflitos, plenamente viável sua previsão em editais de licitações, contratos administrativos e outros ajustes celebrados pelos Serviços Sociais Autônomos, sem que isso implique na ofensa de princípios administrativos gerais ou no prejuízo da competitividade do certame e da busca pela proposta mais vantajosa.



[1]JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. 17 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016, p. 892.
[2]Na qual essa Consultoria se incluía, citando-se, como exemplo, a manifestação publicada na Revista JML de Licitações e Contratos nº 19, de junho de 2011, seção “Questões Frequentes”: “Dessa forma, em vista de os contratos firmados pela Administração envolverem bens que são considerados indisponíveis e que necessitam de regulamentação especial para sua utilização e fruição, entende-se que não é cabível, a rigor, a adoção de juízo arbitral no âmbito destes.”
[3]Sobre a controvertida questão acerca da natureza dos recursos recebidos por essas entidades e sua submissão a princípios e normas gerais norteadores da atividade administrativa confira-se: Acórdãos 3554/2014 e 1869/2015, ambos do Plenário/TCU; RE 789.874/DF/STF e MS 33442 MC/DF/STF. E ainda: “O CONTROVERTIDO REGIME JURÍDICO DO SISTEMA ‘S’ E AS RECENTES ORIENTAÇÕES DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL” – artigo de Julieta Mendes Lopes Vareschini, veiculado na Edição nº22 do Newsletter do Sistema “S”, disponível em http://news.jmleventos.com.br/newsletter_sistema_s/lista.php.
COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos da JML Consultoria & Eventos.

Cadastre seu comentário

Espaço aberto para debates sobre os temas postados pela equipe da JML. Não é permitido envio de consultas.

Caso você seja assinante do serviço Parecer JML e queira enviar uma consulta, utilize o sistema específico de envio da área restrita ou clique aqui.

Sistema "S" // 24 de Outubro de 2018
A TRANSPARÊNCIA NOS PROCESSOS SELETIVOS REALIZADOS PELAS ENTIDADES DO SISTEMA “S”.
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Microempresa // 15 de Dezembro de 2017
NO PREGÃO, QUANDO DEVE SER VERIFICADO A SITUAÇÃO DE EMPATE FICTO PARA CONCESSÃO DO DIREITO DE PREFERÊNCIA À ME/EPP?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Pregoeiro // 18 de Agosto de 2017
TUMULTO NA SESSÃO DO PREGÃO. O QUE O PREGOEIRO PODE/DEVE FAZER?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Licitação // 07 de Agosto de 2017
TÁXI, UBER, CABIFY, ETC. A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A AMPLIAÇÃO DA COMPETIÇÃO.
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Pregão // 04 de Abril de 2017
A DOSIMETRIA NA APLICAÇÃO DA PENALIDADE DE IMPEDIMENTO DE LICITAR E CONTRATAR PREVISTA NO ARTIGO 7º DA LEI Nº 10.520/2002
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Penalidades // 16 de Fevereiro de 2017
A TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NO ÂMBITO ADMINISTRATIVO – NOVOS ENTENDIMENTOS
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Habilitação // 16 de Janeiro de 2017
AFINAL, É POSSÍVEL OU NÃO A PARTICIPAÇÃO EM LICITAÇÕES PÚBLICAS DE EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL OU EXTRAJUDICIAL?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Contrato // 29 de Dezembro de 2016
A CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS COMUNS SEGUNDO A NOVA LEI DAS ESTATAIS
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Reajuste/Repactuação/Revisão // 02 de Dezembro de 2016
O REAJUSTE DE PREÇOS COMO CLÁUSULA NECESSÁRIA DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Licitação // 26 de Setembro de 2016
LICITAÇÕES INTERNACIONAIS E A CONVENÇÃO DA APOSTILA
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Pregoeiro // 12 de Agosto de 2016
COMO O PREGOEIRO DEVE PROCEDER AO RECEBER ALERTA DO SISTEMA ELETRÔNICO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE EMPRESA CUJO SÓCIO INTEGRA OUTRA PESSOA JURÍDICA QUE TENHA SIDO PENALIZADA PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Superfaturamento // 01 de Julho de 2016
A RESPONSABILIDADE DO PARTICULAR NOS CASOS DE SOBREPREÇO EM CONTRATOS ADMINISTRATIVOS.
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Qualificação técnica // 01 de Junho de 2016
A EXIGÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DE EQUIPE TÉCNICA MÍNIMA COMO REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM LICITAÇÕES
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Terceirização // 06 de Maio de 2016
OS SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS RESPONDEM PELOS ENCARGOS TRABALHISTAS DOS TERCEIRIZADOS?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Penalidades // 24 de Fevereiro de 2016
CONTRATAÇÕES DIRETAS INDEVIDAS: O CRIME PREVISTO NO ART. 89 DA LEI 8.666
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
SRP // 06 de Outubro de 2015
SRP: UMA VEZ CELEBRADA A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, AS CONTRATAÇÕES DELA DECORRENTES PRESCINDEM DE FORMALIZAÇÃO MEDIANTE CONTRATO OU INSTRUMENTO EQUIVALENTE?
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Tributação // 29 de Junho de 2015
REDUÇÃO NA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO: PROPOSTA-BASE DO GOVERNO É APROVADA PELA CÂMARA. AGORA O PROJETO DE LEI SEGUE PARA APRECIAÇÃO DO SENADO
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
Fiscalização // 07 de Maio de 2015
VOCÊ VIU? TCU DETERMINA QUE AUTORIDADES FEDERAIS PRESTEM ESCLARECIMENTOS SOBRE MANOBRAS FISCAIS VIOLADORAS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL
Por: Ana Carolina Coura Vicente Machado
leia mais
CARREGAR MAIS ARTIGOS
Telefone JML
Central de Relacionamento JML:
41

3595.9999

Parecer JML:
41

3595.9997

WhatsApp:
41

9 9622.6851

Endereço JML
Mendes e Lopes Pesquisa, Treinamento e Eventos Ltda. CNPJ: 07.777.721/0001-51 Rua Mandaguaçu, 534 – Sobre Loja – Bairro Emiliano Perneta
83324-430 - Pinhais – PR