ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL E O DEVER DE IMPLEMENTAR PROGRAMAS DE INTEGRIDADE ... 17 de Janeiro de 2019
Com o escopo de impedir ou, ao menos, minimizar a corrupção, o ordenamento jurídico brasileiro tem internalizado normas que obrigam a Administração Pública a adesão à governança corporativa e gestão por meio de um acurado sistema de controle, do qual é corolário, dentre outros, o programa de integridade.

É clara a relação entre corrupção, governança e programas de integridade. Conforme as precisas lições de Cristiana Fortini:

“Com efeito, a preservação de uma empresa (dentro do largo campo das entidades), dos empregos a ela vinculados, e de outras entidades privadas dela dependentes, está condicionada à efetividade de um sistema de governança cuja finalidade é conferir vitalidade à instituição, evitando que interesses outros, inclusive dos próprios acionistas e/ou dirigentes, possam representar risco à sua continuidade e à concretização de seus objetivos.
Preocupação com a prevenção e a repressão de condutas que possam traduzir riscos ao cumprimento dos objetivos sociais e à existência da entidade relaciona-se à governança corporativa. Daí o destaque atribuído a procedimentos e mecanismos de integridade como gestão de riscos, accountability, transparência, instâncias de auditoria, canais de denúncias e apuração, entre outros.
(...)
A relação entre corrupção e governança e os programas de integridade é elementar. Mesmo que a Lei Anticorrupção nada tivesse dito, é claro que a adoção de medidas que eliminem ou minimizem os atos considerados ilícitos é fundamental para proteger a entidade.
Se certa ação pode traduzir vantagem financeira direta ou indireta à entidade, mas, se descoberta, poderá acarretar sanções severas, financeiramente robustas, a cautela impõe evitar sua efetivação”.[1]

Nessa toada, como resposta aos constantes episódios de corrupção envolvendo a Administração Pública nos últimos anos, é possível citar, a título de parâmetro, a Lei Anticorrupção (Lei nº. 12.846/13), que dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira; a Lei nº. 13.303/16, que dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e expressamente prevê em seu art. 9º:

Art. 9o  A empresa pública e a sociedade de economia mista adotarão regras de estruturas e práticas de gestão de riscos e controle interno que abranjam: 
I - ação dos administradores e empregados, por meio da implementação cotidiana de práticas de controle interno; 
II - área responsável pela verificação de cumprimento de obrigações e de gestão de riscos; 
III - auditoria interna e Comitê de Auditoria Estatutário. 
§ 1o  Deverá ser elaborado e divulgado Código de Conduta e Integridade, que disponha sobre: 
I - princípios, valores e missão da empresa pública e da sociedade de economia mista, bem como orientações sobre a prevenção de conflito de interesses e vedação de atos de corrupção e fraude; 
II - instâncias internas responsáveis pela atualização e aplicação do Código de Conduta e Integridade; 
III - canal de denúncias que possibilite o recebimento de denúncias internas e externas relativas ao descumprimento do Código de Conduta e Integridade e das demais normas internas de ética e obrigacionais; 
IV - mecanismos de proteção que impeçam qualquer espécie de retaliação a pessoa que utilize o canal de denúncias; 
V - sanções aplicáveis em caso de violação às regras do Código de Conduta e Integridade; 
VI - previsão de treinamento periódico, no mínimo anual, sobre Código de Conduta e Integridade, a empregados e administradores, e sobre a política de gestão de riscos, a administradores”. 

No mesmo sentido é a recente Portaria nº. 57, de 04 de Janeiro de 2019, da Controladoria-Geral da União, que estabelece orientações para que os órgãos e as entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional adotem procedimentos para a estruturação, a execução e o monitoramento de seus programas de integridade.

Já de plano, cumpre frisar que o teor do art. 1º da norma não deixa dúvidas. A implementação de um programa de integridade no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional é compulsória. Não se trata, portando, de mera discricionariedade.

A norma prescreve que referida implantação deve ocorrer em três fases, a saber:

a) Primeira fase (art. 4º)
Os órgãos e as entidades deverão constituir uma unidade de gestão da integridade, com competência para:
I - coordenação da estruturação, execução e monitoramento do Programa de Integridade;
II - orientação e treinamento dos servidores com relação aos temas atinentes ao Programa de Integridade; e
III - promoção de outras ações relacionadas à implementação do Programa de Integridade, em conjunto com as demais unidades do órgão ou entidade.
No § 2º, do aludido art. 4º, a Portaria fixou o prazo de 15 (dias), contados da publicação da norma, para a constituição da unidade de gestão de integridade.

b) Segunda fase (art. 5º)
Os órgãos e as entidades deverão aprovar seus Planos de Integridade até 29 de março de 2019, contendo:
I - caracterização do órgão ou entidade;
II - ações de estabelecimento das unidades de que tratam os art. 4º e 6º desta Portaria; III - levantamento de riscos para a integridade e medidas para seu tratamento; e
IV - previsão sobre a forma de monitoramento e a realização de atualização periódica do Plano de Integridade.

c) Terceira fase (art. 7º)
Os órgãos e as entidades deverão executar e monitorar seu Programa de Integridade, com base nas medidas definidas no respectivo Plano de Integridade.

Por derradeiro, o parágrafo único do art. 7º estabelece que os órgãos e as entidades deverão buscar expandir o alcance de seu Programa de Integridade para as políticas públicas por eles implementadas e monitoradas, bem como para fornecedores e outras organizações públicas ou privadas com as quais mantenha relação.

O aludido parágrafo expressa a necessidade, já existente em outros normativos, de que os fornecedores que se relacionam com a Administração Pública adotem também programas de integridade. É preciso, portanto, que o combate à corrupção ocorra nas duas vias – contratado e contratante.

Conclui-se, portanto, que a norma fixou à administração pública federal direta, autárquica e fundacional o dever de aprovar plano de integridade até 29 de março de 2019.
Seu órgão está preparado para essa implantação?


[1] FORTINI, Cristiana. Programas de Integridade e a Lei Anticorrupção. PAULA, Marco Aurélio Borges de; CASTRO, Rodrigo Pironti Aguirre de; Compliance, Gestão de Riscos e Combate à Corrupção: integridade para o desenvolvimento. Belo Horizonte: Fórum, 2018, p. 194-195.





COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos da JML Consultoria & Eventos.

Cadastre seu comentário

Espaço aberto para debates sobre os temas postados pela equipe da JML. Não é permitido envio de consultas.

Caso você seja assinante do serviço Parecer JML e queira enviar uma consulta, utilize o sistema específico de envio da área restrita ou clique aqui.

Sistema "S" // 14 de Janeiro de 2019
GESTÃO DE RISCOS APLICÁVEL ÀS LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DOS SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Registro de Preços // 21 de Novembro de 2018
ADESÃO À ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Registro de Preços // 05 de Outubro de 2018
CARONA E AS ALTERAÇÕES PROMOVIDAS NO DECRETO FEDERAL
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 03 de Setembro de 2018
LICITAÇÕES REALIZADAS PELO SISTEMA “S” E O TRATAMENTO DIFERENCIADO ÀS PEQUENAS EMPRESAS: RECENTE POSIÇÃO DO TCU
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 23 de Janeiro de 2018
SISTEMA S. EXIGÊNCIA DE REGULARIDADE PERANTE A SEGURIDADE SOCIAL. UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA.
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
06 de Outubro de 2017
TRATAMENTO DIFERENCIADO ÀS PEQUENAS EMPRESAS E COTA RESERVADA: É POSSÍVEL QUE O VALOR DA COTA SUPERE R$ 80 MIL?
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 06 de Outubro de 2017
A TRANSPARÊNCIA NO ÂMBITO DO SISTEMA “S”
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Fiscalização // 24 de Novembro de 2016
FISCALIZAÇÃO. ATESTO. RESPONSABILIDADE DO FISCAL DE CONTRATO POR ATO MANIFESTAMENTE ILEGAL.
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Microempresa // 03 de Novembro de 2016
ALTERAÇÕES PROMOVIDAS PELA LEI COMPLEMENTAR 155/16 NAS LICITAÇÕES
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Pequenas empresas // 09 de Setembro de 2016
LICITAÇÃO EXCLUSIVA ÀS PEQUENAS EMPRESAS, PARCELAMENTO DO OBJETO E VALOR ESTIMADO A SER CONSIDERADO
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Licitação // 26 de Julho de 2016
AS EMPRESAS ESTATAIS JÁ DEVEM ADOTAR A NOVA LEI PARA AS LICITAÇÕES INSTAURADAS APÓS 1º DE JULHO?
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 14 de Julho de 2016
ENTIDADES DO SISTEMA S. PREFERÊNCIA DO PREGÃO ELETRÔNICO EM DETRIMENTO DO PRESENCIAL
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 28 de Junho de 2016
SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS. FORMALIZAÇÃO DOS CONTRATOS POR ASSINATURA DIGITAL
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Sistema "S" // 21 de Junho de 2016
SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS E O DEVER DE CUMPRIR A LEI DO ACESSO À INFORMAÇÃO.
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Proposta // 02 de Junho de 2016
ELABORAÇÃO DE PLANILHA DE CUSTOS: CAUTELAS E REFLEXOS DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Licitação // 26 de Abril de 2016
DISPENSA DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DO REMANESCENTE. SERVIÇOS CONTÍNUOS. POSSIBILIDADE DE PRORROGAÇÃO DO CONTRATO
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Participação nos Resultados // 16 de Fevereiro de 2016
REMUNERAÇÃO A TÍTULO DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA S
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
Tributação // 09 de Novembro de 2015
INCONSTITUCIONALIDADE DA REDUÇÃO NO REPASSE DAS CONTRIBUIÇÕES PARAFISCAIS DOS SERVIÇOS SOCIAIS AUTÔNOMOS
Por: Julieta Mendes Lopes Vareschini
leia mais
CARREGAR MAIS ARTIGOS
Telefone JML
Central de Relacionamento JML:
41

3595.9999

Parecer JML:
41

3595.9997

WhatsApp:
41

9 9622.6851

Endereço JML
Mendes e Lopes Pesquisa, Treinamento e Eventos Ltda. CNPJ: 07.777.721/0001-51 Rua Mandaguaçu, 534 – Sobre Loja – Bairro Emiliano Perneta
83324-430 - Pinhais – PR