SISTEMA “S”. A INDICAÇÃO DE TÍTULO DE LIVROS DIDÁTICOS CONSTITUI INDICAÇÃO DE MARCA? ... 20 de Maio de 2015
Categorias: Sistema "S".
O Regulamento de Licitações das entidades do Sistema S veda a indicação de características e especificações exclusivas ou marcas, admitindo-a, de forma excepcional, se houver justificativa no processo e ratificação pela autoridade competente:

“Art. 13. (...)
§ 1º Na definição do objeto não será admitida a indicação de características e especificações exclusivas ou marcas, salvo se justificada e ratificada pela autoridade competente.”

Tem-se que, como regra, não se pode na definição do objeto indicar a marca de determinado bem, nem estabelecer características e especificações exclusivas que possam restringir ou frustrar o caráter competitivo da licitação[1].

Contudo, como frisado, a regra permite a exceção quando essa indicação decorrer de justificativa técnica, adequada e suficiente, que demonstre que tal exigência é essencial ao alcance da finalidade visada.

A aquisição de livros, entretanto, comporta uma análise mais acurada.

Até porque “marca” não é um conceito fácil de se definir mas, sabe-se que é utilizada para distinguir os produtos e serviços de uma empresa dos de outras empresas.

Entretanto, as obras literárias não são, como regra, suscetíveis de registro de marca. É o que dispõe a Lei n° 9.279/96, a Lei da Propriedade Industrial, que assim define:

“Art. 122. São suscetíveis de registro como marca os sinais distintivos visualmente perceptíveis, não compreendidos nas proibições legais.
Art. 123. Para os efeitos desta Lei, considera-se:
I - marca de produto ou serviço: aquela usada para distinguir produto ou serviço de outro idêntico, semelhante ou afim, de origem diversa;
II - marca de certificação: aquela usada para atestar a conformidade de um produto ou serviço com determinadas normas ou especificações técnicas, notadamente quanto à qualidade, natureza, material utilizado e metodologia empregada; e
III - marca coletiva: aquela usada para identificar produtos ou serviços provindos de membros de uma determinada entidade.
Art. 124. Não são registráveis como marca:
...
XVII - obra literária, artística ou científica, assim como os títulos que estejam protegidos pelo direito autoral e sejam suscetíveis de causar confusão ou associação, salvo com consentimento do autor ou titular;” (grifou-se)

De modo geral, portanto, não se estende o conceito técnico de marca às obras literárias. Mas isso não significa a total liberdade das entidades ao definir os livros que pretende adquirir, até porque, a indicação de títulos de livros pode restringir indevidamente a competitividade ou não ser adequada aos fins a que se destina.

Decerto essa indicação de livros está inserida no poder discricionário da entidade e medida por critério de conveniência, desde que tecnicamente justificada a opção.

A aquisição demanda a escolha de obras condizentes com a proposta pedagógica de cada entidade com base em análises e pareceres do seu corpo técnico.

Desse modo, sustenta-se que a indicação dos títulos de obras é permitida, mas deve ser justificada sob o critério de atendimento à proposta pedagógica da entidade, a linha pedagógica do autor, a corrente filosófica em que se baseia para fundamentar a formulação do material didático, o conteúdo, a maneira como conduz ao ensino, etc. Enfim, deve restar evidenciado que a escolha das obras foi devidamente analisada e fundamentada em dados técnicos e científicos com vistas a favorecer a apropriação do saber científico, filosófico e artístico proposto pelo respectivo livro.


[1]“A título de informação, de teor semelhante ao do RLC é o disposto nos artigos 7°, §5°, e 15, §1°, da Lei 8.666/93: “Art. 7º. [...] 
§ 5º É vedada a realização de licitação cujo objeto inclua bens e serviços sem similaridade ou de marcas, características e especificações exclusivas, salvo nos casos em que for tecnicamente justificável, ou ainda quando o fornecimento de tais materiais e serviços for feito sob o regime de administração contratada, previsto e discriminado no ato convocatório.
[...]
Art. 15. As compras, sempre que possível, deverão:
[...]
§ 7º Nas compras deverão ser observadas, ainda:
I - a especificação completa do bem a ser adquirido sem indicação de marca;”
COMPARTILHE:
!
A opinião emitida nos textos é de total responsabilidade de seus autores e não corresponde, necessariamente, aos entendimentos da Grupo JML.

Cadastre seu comentário

Espaço aberto para debates sobre os temas postados pela equipe da JML. Não é permitido envio de consultas.

Caso você seja assinante do serviço Parecer JML e queira enviar uma consulta, utilize o sistema específico de envio da área restrita ou clique aqui.

Sustentabilidade // 18 de Julho de 2017
A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS ESTATAIS. UMA BREVE ANÁLISE SOBRE A AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO OBJETO COMO FERRAMENTA PARA AFERIR A VANTAJOSIDADE DAS CONTRATAÇÕES.
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Proposta // 04 de Outubro de 2016
A DESCLASSIFICAÇÃO DE PROPOSTAS EM FUNÇÃO DO VALOR APRESENTADO NO PREGÃO. MOMENTO ADEQUADO.
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Rescisão // 21 de Setembro de 2015
PROCESSO DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA (FUSÃO, CISÃO E INCORPORAÇÃO) E A CONTINUIDADE DOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Licitação // 15 de Julho de 2015
PRINCÍPIO DO PROCEDIMENTO FORMAL X FORMALISMO
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Contrato // 26 de Março de 2015
PRAZO MÁXIMO DE DURAÇÃO DO CONTRATO DE LICENÇA DE SOFTWARE
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Servidor // 13 de Fevereiro de 2015
O EXERCÍCIO DE ATIVIDADE PRIVADA POR SERVIDORES PÚBLICOS. NECESSÁRIA COMPATIBILIDADE DE FUNÇÃO OU CARGO E HORÁRIO
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Comissão de Licitação // 18 de Dezembro de 2014
A PROMOÇÃO DE DILIGÊNCIAS NAS LICITAÇÕES PÚBLICAS. OBRIGAÇÃO OU FACULDADE?
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
SRP // 05 de Novembro de 2014
A INTENÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL E A POSSIBILIDADE DE SUA DISPENSA E LIMITAÇÃO E PARTICIPANTES
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Licitação por item/lote // 30 de Setembro de 2014
ALTERAÇÃO CONTRATUAL QUANTITATIVA EM CONTRATO COMPOSTO POR ITENS
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Penalidades // 21 de Agosto de 2014
A ENTREGA DE PRODUTO FALSIFICADO E A CARACTERIZAÇÃO DA CONDUTA TIPIFICADA COMO CRIME PELA LEI DE LICITAÇÕES. PROCEDIMENTOS CABÍVEIS
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Qualificação técnica // 07 de Julho de 2014
A EXIGÊNCIA EM EDITAL DE CERTIFICAÇÃO TÉCNICA DE PRODUTOS NO INMETRO
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Reajuste/Repactuação/Revisão // 28 de Abril de 2014
A VALIDADE DAS CONVENÇÕES COLETIVAS E ACORDOS COLETIVOS DE TRABALHO E A IMPLICAÇÃO NAS REPACTUAÇÕES/REAJUSTES CONTRATUAIS
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
Valor da Contratação // 22 de Abril de 2014
A UTILIZAÇÃO DE BANCOS DE PREÇOS PARA ESTIMATIVA DE PREÇOS EM LICITAÇÕES E A NECESSIDADE DE CAUTELA POR PARTE DO ADMINISTRADOR PÚBLICO
Por: Caroline Rodrigues da Silva
leia mais
CARREGAR MAIS ARTIGOS
Grupo JML
Grupo JML - PESSOAS Grupo JML - SERVIÇOS Grupo JML - TECNOLOGIA
Sites JML